quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Catarina (no seu 8° dia de vida)

Catarina chegou
inaugurando Outubro
reafirmando a Primavera

Catarina, minha neta
é luz de nova estação
promessa de tempos novos
                       
Catarina é nome de santa
em Alexandria
e de algumas rainhas
dentre elas
Catarina de Médici
italiana, consorte de França
Catarina de Aragão
princesa de Espanha 
consorte de Inglaterra
Catarina II
Imperatriz russa
que reinou, reinando
colecionando arte e amantes

Catarina, nome antigo
vem lá do Século XII
tem história e personalidade
é também o nome de minha avó
Adelaide Catarina de Jesus
que se rainha fosse, ao contrário
da esfuziante russa, a grande
teria como cognome, a pequena

Catarina, minha neta
há de ser todas elas
porque mulher traz consigo
mulheres que a antecederam
mas será, sobretudo, ela própria
que traçará sua rota individual
sem descuidar das questões coletivas

Bem vinda Catarina
ao reinado dos meus afetos

dtv
09.10.2017

domingo, 8 de outubro de 2017

Coleção PerVersas – literatura de autoria feminina no Mulherio das Letras

Desde a primeira hora, o entusiasmo foi grande (e é ainda). O Encontro do Mulherio na Paraíba ocupou meus planos e tinha todos os motivos para isso. Por esses descaminhos da vida cotidiana, ainda que tivesse me programado e confirmado presença oficialmente, tive que me “desprogramar” . Sei que querer não é poder e, assim, tranquilamente admito não poder. Ponto.  

Para quem não sabe, o primeiro Encontro Mulherio das Letras é um encontro nacional que transcorrerá em João Pessoa, entre os dias 12 a 15 de outubro de 2017.  Trata-se de um evento pioneiro, organizado de forma coletiva e de maneira horizontal, cujo objetivo é reunir mulheres ligadas à literatura ( poetas, ficcionistas, dramaturgas, tradutoras, pesquisadoras e críticas, editoras, livreiras, ilustradoras, designers e jornalistas) oriundas de diversas regiões brasileiras. O evento é também inovador na sua forma, fora do modelo adotado como padrão de festivais e feiras de literatura que ocorrem em todo o Brasil. O Mulherio das Letras contará também com espetáculos teatrais e uma livraria, e que exporá e venderá ao público os livros das participantes.

Sem sombra de dúvida, este será um grande marco não só no cenário da literatura brasileira, como também na luta por direitos das mulheres brasileiras. As discussões que ali decorrerão balizarão os passos decisivos ainda a percorrer. Será um encontro histórico e, por essa razão, fica uma pontinha de tristeza por lá não estar presencialmente.

Entretanto, aqui estarei, no meu bunker do Subúrbio andreense, programada e ansiosa para receber notícias, mas ao mesmo tempo lá estarei, através das lindezas destes objetos gráficos e conteúdos literários que lá serão apresentadas e que seguem na bagagem da amiga Rosana Chrispim, parceira das letras de muitos anos.

Serão apresentados durante o Encontro Mulherio das Letras  os primeiros cinco volumes da coleção PerVersas – Literatura de autoria feminina, Alpharrabio Edições, Santo André, SP, viabilizada a tempo do Encontro, graças ao decisivo e incansável trabalho (criativo e braçal) de Luzia Maninha Teles Veras.  
Com a proposta de reunir textos (poesia, crônica, conto, ensaio) contemporâneos, a ideia da coleção surgiu de algumas discussões em torno da invisibilidade histórica das mulheres escritoras, decorridas nos encontros “Sábados PerVersos – a poesia em questão”, leitura crítica de poesia, evento mensal da Livraria Alpharrabio, desde novembro de 2014. A coordenação editorial da coleção é de Dalila Teles Veras e a concepção gráfica e criação manual dos volumes é de Luzia Maninha. Tiragem de 92 exemplares, numerados e assinados pelas suas respectivas autoras.


Assim, estará no Mulherio das Letras, este “pequeno mulherio”, que mora longe, mas perto está de todas as propostas (oportunas, necessárias, meritórias) do Encontro:

- a mulher antiga – dalila teles veras, vol. I
- cascos e crinas sobre fundo escuro – Conceição Bastos, vol. II
- relíquias de anjos – Deise Assumpção, vol. III
- não sabia a idade – Constança Lucas, vol.IV

- Contracena – Rosana Chrispim, vol. V

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Ruth Escobar morreu. Ruth Escobar vive!




Morreu hoje, aos 82 anos, Ruth Escobar. Atriz, política, feminista e produtora cultural ousada. Uma mulher à frente do seu tempo. Em 1982, acabara de publicar meu primeiro livro e fui convidada a participar do festival "Mulheres nas Artes", produzido por ela, decorrido no Club Homs, na Av. Paulista, em São Paulo. Foi um acontecimento cultural revolucionário que reuniu centenas de mulheres incríveis, daqui e de todos os lugares. Foi ali que vi pela primeira vez Cora Coralina, demoradamente aplaudida por um auditório em estado de encantamento. Dentre muitos outros incríveis momentos, foi também ali, pela ousadia de Ruth Escobar, que ouvi, igualmente em estado encantatório, outra mulher, feminista de sete costados, a italiana Dacia Maraini. Em 2001 assisti ao último espetáculo sob sua produção, "Os Lusíadas", monumental espetáculo encenado no local em que hoje está (em reforma) o Museu da Língua Portuguesa, na Estação da Luz. Acompanhava com entusiasmo sua carreira fulgurante e polêmica. Uma mulher de fibra que jamais se curvou ao establishment. Se a memória a abandonou na última década, cabe a nós manter a memória de sua arte e atuação cultural.
Ruth Escobar, portuguesa/brasileira, que muito fez pela cultura de suas duas pátrias, morreu. Ruth Escobar vive!