quinta-feira, 3 de agosto de 2017

2017 - A FLIP que desflipou e diversificou



            
Em 2003, estive em Paraty, RJ, encantadora cidade litorânea do RJ, encravada entre o mar e serras, onde, em priscas eras (1530-1812) funcionou um fervilhante "porto do ouro". Ali, de 1º a 3 de agosto, ocorria a 1ª Festa Literária Internacional de Paraty, a FLIP. Fui levada pela curiosidade. Afinal, uma Festa só para a literatura, era uma novidade absoluta, levando em conta a magnitude com que era anunciada e como de fato foi. Fui acompanhada por dois fiéis escudeiros, Valdecirio, o marido, e Antonio Possidonio Sampaio, o amigo. Fui porque além de festa literária, abria com uma celebração à poesia, homenageando Vinicius de Moraes. E foi lindo ver/ouvir Chico Buarque ler, emocionado, “Meu Tempo é quando” (“Eu morro ontem. Nasço amanhã. Ando onde há espaço “...), como foi igualmente lindo ouvir Antonio Cícero ler “Pátria Minha” e Adriana Calcanhoto a cantar “Eu sei que vou te amar” e Chico retornar, cantando “O poeta aprendiz”. E Gilberto Gil, na condição de Ministro da Cultura. Ali estava a FESTA! E eu estava nela. Ali estava um Brasil que acreditava no Brasil.
            A Festa era internacional, sim, como ainda é, havia escritores estrangeiros, mas também lá estava Ferreira Gullar, Ana Maria Machado, Milton Hatoum, Luiz Ruffato, Tabajara Ruas, Zuenir Ventura, Adriana Falcão, Joaquim Ferreira dos Santos, Jurandir Freire Costa, Drauzio Varella, Luís Fernando Veríssimo, Millôr Fernandes, Ruy Castro, Bernardo Carvalho, Marçal Aquino, Patrícia Melo, Eduardo Bueno a dizer que também o somos, além, naturalmente, de algumas destacadas figuras estrangeiras, dentre as quais o velho Eric Hobsbawm, firme e lúcido nos seus 90 anos, de quem guardo com muito orgulho seu precioso A Era dos Extremos – O Breve Século XX, autografado.
            Ainda que tenha me interessado muito, ficou sendo, por 14 anos, a primeira e a única. Com o crescimento brutal da Festa, fiquei afastada. Nunca me dei bem com filas e multidões e o desinteresse veio também pelas poucas surpresas nas programações posteriores, quase sempre dominadas por figuras do “mainstream” das grandes editoras.  A Flip passou a ser (quase) previsível. Ainda assim, sempre torci para que desse certo. A Literatura também precisa e agradece a festa.
            Até que FLIP 2017 foi anunciada e pela primeira vez sob a curadoria de uma mulher, a dinâmica e competente jornalista Joselia Aguiar, que passou a delinear uma proposta para a Festa que muito me interessou. Era maio e não tive dúvidas,  reservei um quarto na pousada, na expectativa da virada.
            A seguir, data vênia aos jornalistas, descrevo à minha maneira, em forma de crônica e com muitas aspas,  a “minha” FLIP (oficialmente, a 15ª, mas no meu calendário pessoal, a 2ª.).  
           


            
            A sagrada palavra da literatura invadiu o templo “construído com trabalho escravo”  (a benção poeta/pensador Edimilson Pereira de Almeida Pereira!). Sem a menor cerimônia, dialogou com o deus e os santos do lugar. Anticlerical, a literatura propôs um pacto de isenção e, durante cinco dias, fez do altar palco e palanque e celebrou o rito da comunhão pela palavra e pela diversidade.
            Foi então que se deu o “milagre ateu” (a benção presidenta Pilar!) e os fiéis leitores deram-se as mãos, sem olhar para suas respectivas peles, gênero ou classe social e celebraram o rito da forma mais iconoclasta, despidos de teologia, homenageando um escritor negro e pobre, cuja palavra vai percorrer todas as frestas dessa festa da palavra. Um escritor que “escreveu do ponto de vista dos excluídos, que usou a língua do dominador para falar dos dominados” (a benção Luciana Hidalgo!)
            E da sacristia saíram frutos estranhos que foram oferecidos à degustação da forma mais inusitada, entranhados nos olhos e corações de quem lá estava. Poesia pulsante, na palavra, na imagem, na voz, nos corpos. Poesia. Poesia fora de lugar, Poesia para ver, ouvir, sentir, cantar. Poesia multilíngue. Poesia soco no estômago (a benção Prisca Agustoni, a benção Adelaide Ivánova, a benção Josely Vianna Baptista, a benção Grace Passô, a benção Ricardo Aleixo, a benção André Vallias! por esta tropical fruteira de cores selvagens).
            E a palavra atravessou as paredes do templo, operando milagres das mais diversas versões pelas tortuosas ruas coloniais, calçadas de pedra e “suor dos pretos” (a benção Diva Guimarães, que, da plateia, virou diva da festa e viralizou nas redes sociais!) numa vibrante festa não oficial,  multiplicada em milagres laicos não qualificáveis, saudando os indígenas que tiveram voz e mostraram seu belo artesanato nas ruas, as estátuas vivas, os atores e suas performances, os músicos, entrando nas casas provisórias batizadas com os nomes dos seus criadores, oferecendo iguarias não catalogadas. E os que vieram para a programação oficial também foram encontrar seus leitores e sentaram nas duras pedras com a leveza de quem já experimentou a dureza (a benção Scholastique Mukasonga, que nos foi apresentada por uma pequena editora, a NOS. A benção Simone Paulino). 




            E livros, muitos, publicados por pequenas editoras que romperam a hegemonia das grandes (a benção Simone Paulino e tantos!). Livros autografados, dedicados, passaram para as mãos de leitores curiosos de ouvir vozes que não conheciam ou reconheciam.
            Esta foi a FLIP das surpresas e dos pequenos que são grandes. Dos livros e dos escritores voltados à literatura para jovens e adultos (a benção Suzana Ventura e tantos!) Das mulheres. Dos Negros. Dos pouco conhecidos, mas de há muito reconhecidos por seus pares, graças à consistência de sua obra e trabalho de décadas. Dos desconhecidos apenas por não serem (ainda) mediáticos, mas reconhecidos por láureas reconhecidas. Esta foi a FLIP das cartografias “fora dos radares” (a benção Joselia Aguiar, a timoneira que desviou o barco para águas fora do mapa!). Esta foi a FLIP daqueles que, silenciosamente, passo a passo, constroem pontes intercontinentais, através de ações educativas e de incentivo à leitura (a benção Leonardo Tonus). Esta foi a FLIP da ágora e da política, porque todo o ato que se quer público é também político. E em especial neste triste momento da vida brasileira, a política se fez incontornável.
            Esta foi a FLIP da diversidade. Homens e Mulheres pela vez primeira em igualmente de número (23 e 23  - os oficiais) tanto quando em igualdade de condições estéticas e méritos artísticos. Negros (um terço na programação e em número incontável na plateia).  E não, o critério não foi meramente a condição de ser negro ou mulher, como aqui e ali foram ensaiadas maldosas críticas (não por acaso de brancos e homens) porque as mulheres e negros que ali estavam já escreviam, estudavam, pensavam, publicavam há muito tempo, só não lhes era permitido mostrar. “As mulheres iam pouquinho nos eventos literários, só de cota” (...) As mulheres escritoras brasileiras não são tratadas com prestígio no meio literário: é como se fossem cozinheiras num grande restaurante de luxo. Sem elas a comida não existe, mas só recebem a gorjeta das comandas” (a benção Maria Valeria Rezende, mulher das letras e da ação, uma das figuras centrais e onipresente desta Festa!).
            
         Esta foi, por fim, a FLIP que esteve distante da superficialidade com que a maioria dos jornalões a noticiou e alguns ressentidos a criticaram. 

Algumas anotações, frases pescadas das falas que ouvi e que ficaram brilhando no escuro do ônibus, na longa e cansativa viagem de retorno:

- O que é escrever num país em estado de guerra civil? Edimilson Pereira de Almeida
- Há racismo, sim, mas é preciso atravessar o fogo do racismo, atravessar a floresta em chamas, apesar das queimaduras ( Scholastique Mukasonga)
- Toda a ficção é memória e toda a memória é ficção (...) No sertão não havia nada. Eu escrevia para ter também o que ler (Maria Valéria Rezende)
- Tudo absurdo! O absurdistão (Luaty Beirão, rapper e ativista angolano, referindo-se à situação política de seu país)
- Éramos filhas, esposas e mães, não tínhamos cidadania (...) A passividade está matando. Pessoas que só fazem o que lhes mandam são fáceis de governar. Ser cidadão ativo dá trabalho. (Pilar del Rio)
- Lima Barreto gritou contra o racismo, contra pistolões, apadrinhados políticos... Se tivéssemos lido mais Lima Barreto, não viveríamos o que estamos vivendo hoje (...) Hoje, com as redes sociais, o alto nível de reflexão pelos direitos sociais, o neo-feminismo, somos todos Lima Barreto.

            Os problemas enfrentados na primeira FLIP, permaneceram (preços exorbitantes praticados por hotéis e restaurantes, falta de banheiros e outras questões menores, sem contar o incontornável problema  histórico, ou seja, o andar aos saltos sobre as pedras e, agora, no meu caso, muito mais do que antes, com medo das quedas e a inevitável dor nas panturrilhas). 


Afinal, pedras fazem parte dos caminhos e são também matéria para poesia.
          
A FLIP aconteceu na mesma cidade,  com um formato bastante semelhante às anteriores, mas... quanta diferença!

#Josélia2018, por todas as questões relatadas.

O templo/matriz que foi palco

A voz dos índios



A voz das mulheres (e dos homens) como nesta linda mesa da Flipinha


A avidez leitora


A FLIP na rua


A FLIP dos intervalos e silêncios à margem do rio Perequê-açu






4 comentários:

  1. Caríssima! Muito obrigada por essa reportagem à la Vinícius e seus pedidos de bênção! Me emocionei, vibrei, me indignei e festejei contigo, Dalila.
    Eventos desse tipo, a congregar pensamento e ação, fazem-se cada dia mais necessários. Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. dalila teles veras5 de agosto de 2017 14:27

    Ô Adelia! Que bom esta notícia de sua visita. Que bom ouvir palavras de incentivo de leitora tão gratas! Todos os dias penso voltar a escrever mais no blog, apenas para meia dúzia de leitores que não se importam com "textão". Mas... ando tão facebuqeira... que acabo me descuidando deste espaço que outrora foi diário. Muito obrigada, mesmo. Abraços

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Que maravilha de relato, Dalila! Estive na Flip pela primeira vez em 2015. Escrevi à época inúmeras postagens em meu blog. Agora em 2017, quase não ia, fui de última hora, peguei três dias. Foi maravilhoso! Gostei de ver suas impressões, de alguém que viu a festa nascer, lá em 2003, e torna agora, nesta renovação. Adoro textos assim, mais intimistas, ver sensações e vivências, textos sobretudo humanos! Grande abraço!

    ResponderExcluir